A DISPUTA DE SENTIDOS NO DISCURSO SOCIOAMBIENTAL: UM ESTUDO ANALÍTICO DA SUA ABORDAGEM NO MEIO ACADÊMICO E NO EMPRESARIAL

Número: 
3518
Código do trabalho: 
T13_0599_3518
Resumo: 
Com a expansão de um modelo de sociedade moderna, emerge a necessidade de refletir sobre a crise socioambiental e seus mecanismos de enfrentamento, dentre os quais, nesse contexto, surge a Educação Ambiental - formal e não formal. Diante disso, neste ensaio, que decorre dos debates travados em duas pesquisas de mestrado na área de educação, objetiva-se analisar as vertentes do discurso socioambiental disseminados no meio acadêmico e empresarial. Utilizamos como estudo de caso o PROCEA (Programa de Educação Ambiental da Thyssenkrupp CSA em Itaguaí/RJ), e os professores dos cursos de Pedagogia do IM-UFRRJ e Geografia da FEBF-UERJ. Para tanto, lançou-se mão do materialismo histórico e dialético com o foco na perspectiva da transformação social, e da Análise Crítica do Discurso para comparar analiticamente como há disputa de sentidos no discurso socioambiental desses segmentos. Observou-se que, em contextos diversos, um formal (acadêmico) e outro não formal (empresa) há a predominância da armadilha paradigmática (GUIMARÃES, 2004), visto que os discursos encontram-se em dissonância com a prática.
Abstract: 
With the expansion of a model of modern society, emerges the need to reflect on the environmental crisis and their coping mechanisms, among which, in this context, arises Environmental Education - formal and non-formal. Therefore, in this essay, arising from discussions at two research masters in education, aims to analyze the environmental aspects of discourse disseminated in academia and business. We used as a case study PROCEA (Environmental Education Program Thyssenkrupp CSA in Itaguaí/RJ), and teachers of courses Education of IM-UFRRJ and Geography of FEBF-UERJ. Therefore, it employed the dialectical and historical materialism with focus on the perspective of social transformation, and Critical Discourse Analysis to compare analytically no dispute as to environmental meanings in the discourse of these segments. It was observed that, in various contexts, a formal (academic) and other non-formal (business) there is a predominance of paradigmatic trap (GUIMARÃES, 2004), seen that discourses are at odds with the practice.