ABORDAGEM COMPORTAMENTAL NA AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DE UM SISTEMA DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

Número: 
XII CNEG & III INOVARSE 2016
Código do trabalho: 
T16_192
Resumo: 
O fenômeno da globalização trouxe mudanças na gestão do sistema produtivo das empresas destacando-se empresas fornecedoras de produtos e serviços para as empresas de grande porte do setor industrial. O presente estudo foi realizado em uma empresa de prestação de serviços de construção e manutenção do setor industrial. Foi verificado o nível de envolvimento dos trabalhadores e o entendimento do SGSST a partir da aplicação de um questionário. Complementarmente, foi feita uma comparação dos resultados das auditorias internas realizadas com os resultados das entrevistas feitas com os trabalhadores. Finalizando, foram observados os locais de trabalho e a execução das tarefas, por meio de auditoria comportamental, para verificar a efetiva prática das ferramentas do SGSST. A empresa pesquisada avaliava o desempenho do seu SGSST utilizando um método de auditoria interna puramente estrutural e os resultados obtidos nessa auditoria em determinados contratos (sites) não representavam a realidade da SGSST. No presente estudo avaliou-se um sistema de gestão prescrito (auditoria interna) e real (entrevistas com os trabalhadores) de uma empresa de construção e manutenção industrial. Também foi realizada uma auditoria comportamental que verificou a real implementação do SGSST junto aos trabalhadores. Foram feitas 250 entrevistas para verificação da percepção quanto ao SGSST e realizada uma auditoria comportamental utilizando-se um cartão comportamental conforme modelo Dupont. Após o trabalho de campo, realizou-se uma comparação entre os resultados da auditoria interna (abordagem estrutural) e os resultados obtidos através das ferramentas propostas: questionário de entrevista com os trabalhadores e auditoria comportamental (abordagem operacional). Foi constatado a existência de evidências documentais inconsistentes e ações que deveriam envolver maior número de trabalhadores e que na prática não envolvem, tais como: treinamentos, análises de riscos, elaboração de procedimentos, divulgação das ferramentas de gestão e implementação dos programas. Finalizando, foi possível confirmar, a situação motivadora do estudo: O método de auditoria interna utilizado pela empresa não reflete em seu resultado a realidade do SGSST vivenciada na prática. Encerrada a pesquisa, levantou-se, na empresa, a necessidade de implementação de ferramentas comportamentais de forma rotineira, como por exemplo a auditoria comportamental, desenvolvida na íntegra como ferramenta preventiva para a redução dessas não conformidades e melhora na retroalimentação do sistema.
Congresso: 
XI Congresso Nacional de Excelência em Gestão 2015