PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E BALANCED SCORECARD: É POSSÍVEL AFIRMAR QUE AS DIFICULDADES FORAM SUPERADAS?

Número: 
XII CNEG & III INOVARSE 2016
Código do trabalho: 
T16_310
Resumo: 
O Planejamento Estratégico (PE) e o Balanced Scorecard (BSC) são ferramentas de gestão que estão associadas à estratégia de muitas empresas. Estas ferramentas, no entanto, apresentam vantagens e desvantagens para quem as utiliza. Tanto o BSC quanto o PE apresentam especificidades e necessidades de adequação em cada situação, ambiente, organização e tipo de negócio. Assim, analisar em que extensão o BSC é um modelo capaz de ajudar a superar as dificuldades encontradas na utilização do PE foi o principal objetivo deste estudo. Para tanto, foi realizada uma revisão bibliográfica, com pesquisas em livros, artigos e revistas. Seus resultados apontaram que o BSC é uma ferramenta reducionista, e como tal, ajuda a solucionar os problemas das empresas dentro dos moldes que essa ferramenta se propõe a fazer. O BSC, no entanto, ajuda a suprir falhas das empresas como rigidez, comunicação, feedback e algumas outras imperfeições do Planejamento Estratégico. Entretanto, assim como o PE, se a estratégia é mal elaborada pela administração, por consequência, pode haver má implementação do BSC; isso pode ocorrer em função de determinados fatores como, por exemplo, a elaboração do planejamento e da estratégia concentrado na alta hierarquia, falta de participação e envolvimento dos grupos da organização, falta de comprometimento da organização, fraca relação de causa e efeito entre as perspectivas, ênfase na orientação financeira e ineficiente feedback e aprendizado. Portanto, os resultados sugerem que o sucesso das ferramentas de gestão parece condicionado em grande parte à eficácia da elaboração da estratégia, dados informacionais corretos e a correta implementação do modelo proposto.
Congresso: 
XII Congresso Nacional de Excelência em Gestão & III INOVARSE 2016