FACES DO DESEMPREGO NO BRASIL: QUAL É A QUESTÃO DE GÊNERO?

Número: 
XII CNEG & III INOVARSE 2016
Código do trabalho: 
T16_111
Resumo: 
Este artigo consiste em um ensaio teórico sobre a dinâmica do desemprego no Brasil através de uma perspectiva de gênero. A partir do período de implementação das políticas neoliberais o desemprego passou a ser uma das principais questões sociais em debate. Trabalhadores e trabalhadoras pertencentes às diferentes frações da classe passaram a vivenciar uma crise de empregos que atingiu (e ainda atinge) até mesmo os segmentos mais bem remunerados e qualificados da força de trabalho. Neste contexto, este estudo pretende possibilitar reflexões, através de dados estatísticos: sobre o local que as mulheres ocupam no mundo do trabalho e sua posição nos maiores índices de desemprego no Brasil. O trabalho da mulher é socialmente desigual, cabendo às mulheres os trabalhos mais precários, economicamente inferiores, os que as restringem à complementação de rendas familiares, são também os postos de trabalho que, num momento de instabilidade econômica, são mais frágeis, o que perpetua a lógica do desemprego acentuado para este gênero. Nesse sentido, propomos a reflexão de como as relações de gênero incidem diretamente na dinâmica das relações de trabalho.
Congresso: 
XII Congresso Nacional de Excelência em Gestão & III INOVARSE 2016