AS DUAS MAIORES PAPELEIRAS DO MUNDO E SEUS CATIVEIROS DE PAPEL: REFLEXÕES SOBRE O CASO DO ASSENTAMENTO SÃO JOAQUIM, EM SELVÍRIA/MS

Número: 
XII CNEG & III INOVARSE 2016
Código do trabalho: 
T16_007
Resumo: 
A incidência de duas grandes papeleiras na região do Bolsão Sul-Matogrossense, a partir de 2009, trouxe consigo série de compromissos e conseqüências aos assentados do São Joaquim, localizado a cerca de 70 km da cidade de Três Lagoas/MS. Com a oferta de isenções fiscais ilimitadas, financiamento público via BNDES e outros programas e projetos de fomento industrial, Fibria e Eldorado Brasil lograram se estabelecer e iniciaram os processos para duplicação de suas plantas industriais. Enquanto isso, os assentados do São Joaquim ficam à mercê, pois, não tem condições de obter acesso a investimentos, nem a financiamentos dos bancos públicos e demais agências de fomento. Nessa perspectiva, a única fonte de financiamento da produção agrícola familiar acaba sendo as próprias papeleiras, por meio de seus PDS – planos e programas de desenvolvimento sustentável. Apenas no assentamento em questão, são 181 lotes, mas, menos de 20 foram beneficiados pelos financiamentos das papeleiras. Nesse sentido, tanto a forma e o modelo de financiamento, quanto a velocidade e volume de recursos aportados ficam à discricionariedade absoluta e exclusiva das próprias papeleiras, o que repercute social e economicamente entre os assentados, criando como que uma zona de aprisionamento dos assentados às papeleiras, o que aqui se denomina “cativeiros de papel”.
Congresso: 
XII Congresso Nacional de Excelência em Gestão & III INOVARSE 2016