Comunicação interna na Unimed Vale das Antas, sua percepção, apreensão, eficiência, eficácia, ruídos e inferências na prática organizacional e na gestão de pessoas

Número: 
2825
Código do trabalho: 
T12_0546_2825
Resumo: 
O tema comunicação interna na Unimed Vale das Antas visa investigar a percepção dos colaboradores em relação à comunicação atualmente praticada pela organização, sabendo que a convivência com as diferentes e inesperadas conseqüências e, suas causas, levam pessoas, entidades, empresas e organizações a rever seus comportamentos e se readaptarem aos novos hábitos, padrões, valores, atitudes, formas de viver e de conviver e, até mesmo, de pensar. Sabendo que cada ser humano é um adulto de fato, mas uma criança ou adolescente em potência (será o adulto no futuro) ele é, por assim dizer, um inacabado, por isso vive em constante aprimoramento e crescimento pessoal e profissional. O mundo gira, muda, o tempo passa e tudo vai se tornando diferente e adequado. A partir disso, emerge a necessidade de implementar formas de conviver e de se relacionar via conduta e padrões que favoreçam o entendimento entre pessoas e que considere crenças, culturas, hábitos e comportamento tão diferentes entre si, tornando-se uma 'obrigatoriedade' a adoção de mecanismos de conviver no ambiento dos relacionamentos interpessoais, principalmente, no ambiente organizacional. Com o andamento satisfatório dos fatos (eficiente e eficaz), muitas vezes, mesmo que se fale o mesmo assunto, não necessariamente significa que a comunicação esteja sendo entendida. Essa lógica de Wittgenstein demonstra que há contradições e desentendimento nos atos comunicativos em todos diversos ambientes, inclusive no trabalho. Daí a decorrência de se entender a comunicação como processo que contempla as percepções individuais e sua apreensão acerca do que se fala ou escreve; a eficiência dos meios utilizados e a eficácia do conteúdo; e os ruídos e interferências verificáveis na gestão de pessoas.
Abstract: 
perception of employees in relation to communication currently practiced by the Organization, knowing that the coexistence with the different and unexpected, its causes, consequences and lead people, organizations, businesses and organizations to revise their behaviors and to reacquaint themselves new habits, patterns, values, attitudes, ways of living and to live and even thinking. Knowing that each human being is actually an adult, but a child or adolescent in power (it will be the adult in the future) he is, so to speak, an unfinished, so lives in constant improvement and personal and professional growth. The world turns, changes, time passes and everything becomes different and appropriate. From this emerges the need to implement ways to live and relate to promoting standards and conduct via the understanding between people and consider beliefs, cultures, habits and behavior so different from each other, becoming an 'obligation' to adopt mechanisms for socializing in interpersonal relationships, mainly environment, in organizational environment. With the satisfactory progress of the facts (effective and efficient), many times, even though there is talk of the same subject, not necessarily means that the communication is being understood. This demonstrates that there is logic Wittgenstein contradictions and disagreement in acts across multiple environments, communicative including at work. Hence the result of understanding the communication as a process that includes individual perceptions and their apprehension about what one speaks or writes; the efficiency of the means used and the effectiveness of the content; and the verifiable noise and interference in people management.